outubro 20, 2011

A ACEITAÇÃO DO AGORA

A ACEITAÇÃO DO AGORA

(A impermanência e os ciclos da vida)

O texto desta sexta trata do tema do buscar SER. Do aprender a viver e a morrer, buscando entender as nossas ilusões que consumem a nossa energia, a nossa vida.


Existem ciclos de sucesso, que é quando as coisas acontecem e dão certo.

E os ciclos de fracasso, que é quando elas não vão bem e se desintegram.

Se nos apegamos às situações, oferecemos uma resistência nesse estágio.

Significa que estamos nos recusando a acompanhar o fluxo da vida e que vamos sofrer.

É necessário que as coisas acabem, para que coisas novas aconteçam.

Um ciclo não pode existir sem o outro.

O ciclo descendente é absolutamente essencial para uma realização espiritual.
Ou talvez o seu sucesso tenha se tornado vazio e sem sentido e se transformado em fracasso.

Você tem de ter passado por alguma perda profunda ou por algum sofrimento, para ir à dimensão espiritual.

O fracasso está sempre embutido no sucesso, assim como o sucesso está sempre encoberto pelo fracasso.

No mundo da forma, todas as pessoas fracassam mais cedo ou mais tarde. E toda conquista acaba em derrota.

Todas as formas são impermanentes. Um ciclo pode durar de algumas horas a alguns anos, e dentro dele pode haver ciclos longos ou curtos.

Muitas doenças são provocadas pela luta contra os ciclos de baixa energia que são fundamentais para uma renovação.

Assim, a inteligência do organismo pode assumir o controle como uma medida auto-protetora e criar uma doença com o objetivo de nos forçar a parar, para que uma necessária renovação possa acontecer.

Isso torna difícil ou impossível para nós aceitarmos os ciclos de baixa energia e permitirmos que eles aconteçam.

Mas nada dura muito nessa dimensão, onde as traças e a ferrugem devoram tudo.
Tudo acaba ou se transforma.

A mesma condição que era boa no passado, de repente se torna ruim. A mesma condição que fez você feliz agora faz você infeliz.

A prosperidade de hoje se torna o consumismo vazio de amanhã.

O casamento feliz e a lua de mel se transformam no divórcio infeliz ou em uma convivência infeliz.

A mente não consegue aceitar quando uma situação a qual ela tenha de apegado muda ou desaparece. Ela vai resistir à mudança. É quase como se um membro estivesse sendo arrancado do seu corpo.

Isso significa que a felicidade e a infelicidade são, na verdade, uma coisa só.
Somente a ilusão do tempo as separa.

Não oferecer resistência à vida, é estar em estado de graça, de descanso e de luz. Nesse estado, nada depende de as coisas serem boas ou ruins.

Observe as plantas e os animais. Aprenda com eles a aceitar aquilo que é e a se entregar ao agora.

Deixe que eles lhe ensinem o que é ser.

Deixe que eles lhe ensinem o que é integridade, estar em unidade, ser você mesmo, ser verdadeiro.

Aprenda como viver e como morrer, e como não fazer do viver e do morrer um problema.

Do livro Praticando o Poder do Agora. De Eckhart Tolle.



Leia mais: http://www.cacef.info/news/a%20aceita%c3%a7%c3%a3o%20do%20agora/

Jiddu Krishnamurti - O Ser

O pensamento é tempo. Ele nasce da experiência e conhecimento, que são inseparáveis do tempo e do passado. O tempo é o inimigo psicológico do homem. Nossa ação é baseada no conhecimento e, portanto, o tempo, assim o homem é sempre um escravo do passado. O pensamento é sempre limitado e assim nós vivemos em constante conflito e luta. O importante é o ser e não o vir a ser; um não é o oposto do outro, havendo o oposto ou a oposição, cessa o ser. Ao findar o esforço para vir-a-ser, surge a plenitude do ser, que não é estático; não se trata de aceitação; o vir-a-ser depende do tempo e do espaço. O esforço deve cessar; disso nasce o ser que transcende os limites da moral e da virtude social, e abala os alicerces da sociedade. Esta maneira de ser é a própria vida, não mero padrão social. Lá, onde existe vida, não existe perfeição; a perfeição é uma idéia, uma palavra; o próprio ato de viver e existir transcende toda forma de pensamento e surge do aniquilamento da palavra, do modelo, do padrão.
(Jiddu Krishnamurti)

Krishnamurti A-Verdade-é-uma-terra-sem-caminho

Obras de Krishnamurti publicadas pela Cultrix:

KRISHNAMURTI (Jiddu Krishnamurti) nasceu no Sul da Índia em 1895 e foi educado na Inglaterra. Embora não tenha ligações com nenhuma organização filosófico-religiosa nem se apresente com títulos universitários, vem fazendo conferências para grupos de líderes intelectuais nas maiores cidades do mundo, há já várias dezenas de anos. Além dos volumes editados pela Cultrix, grande número de publicações, de palestras e conferências suas foram lançadas em português, com êxito igual ao obtido quando publicadas em espanhol, francês, alemão, holandês, finlandês e vários outros idiomas, além do original inglês.

Obras de Krishnamurti publicadas pela Cultrix:

O Começo do Aprendizado
Comentários Sobre o Viver
A Cultura e o Problema Humano
O Descobrimento do Amor
Diálogos Sobre a Vida
Diário de Krishnamurti
A Educação e o Significado da Vida
Fora da Violência
O Homem e seus Desejos em Conflito
O Homem Livre
A Importância da Transformação
liberte-se do Passado
A Mente sem Medo
O Mistério da Compreensão
A Mutação Interior
Uma Nova Maneira de Agir
Novos Roteiros em Educação
Palestras com Estudantes Americanos
O Passo Decisivo
Perguntas e Respostas
A Primeira e Ultima Liberdade
Que Estamos Buscando?
A Rede do Pensamento Reflexões Sobre a Vida
A Suprema Realização

Obras de Krishnamurti publicadas pela Instituição Cultural Krishnamurti:

A Essência da Maturidade
Onde Está a Bem-Aventurança
O Novo Ente Humano
A Questão do Impossível
A Outra Margem do Caminho
A Luz que não se Apaga
Como Viver Neste Mundo
A Libertação dos Condicionamentos
Encontro com o Eterno
O Despertar da Sensibilidade
O Vôo da Águia

Skoob NicDias

Pense Nisso - Jiddu Krishnamurti

A Mente Sem Medo - Jiddu Krishnamurti

A Beleza da Música Relaxante

Introdução à Filosofia Espírita - J. Herculano Pires

Barra de vídeo

Loading...