setembro 26, 2012

Esta é a versão em html do arquivo http://svmmvmbonvm.org/krishnamurti.pdf.
G o o g l e cria automaticamente versões em texto de documentos à medida que vasculha a web.Page 1

Monografia Pública
O PENSAMENTO METAFÍSICO-INICIÁTICO DE
Krishnamurti
Pelo Prof. Dr. R. D. Pizzinga, 7Ph.D. (*)
Membro dos Iluminados de Kemet
http://ordoilluminatorum.net/Page 2

Krishnamurti, apresentado ao mundo pela Sociedade
Teosófica como “o Novo Messias”, em um ato de
suprema renúncia abriu mão publicamente dessa
condição e de tudo o que ela significava. O cerne dos
seus ensinamentos parte da premissa de que a
necessária e urgente mudança fundamental da
sociedade só pode acontecer através da
transformação da consciência individual, sem
delimitações impostas por organizações humanas.
Jiddu Krishnamurti
“Citação Fundamental”Page 3

Eu chorei, mas não desejo que os demais chorem; mas se o fizerem, agora sei o
que isso significa. (...) É preciso que se libertem, não por minha causa, mas
apesar de mim. Toda esta vida e, especialmente nos últimos meses, tenho lutado
para ser livre – livre de meus amigos, dos meus livros, de minhas associações.
Vocês devem lutar pela mesma liberdade. Deve haver uma constante inquietação
interior. Segurem um espelho constantemente à sua frente. Se houver algo
indigno do ideal que criaram para si mesmos, mudem-no. Não façam de mim
uma autoridade. Se eu me tornar uma necessidade para vocês, o que farão
quando eu partir? Alguns de vocês acreditam que eu possa lhes dar uma bebida
que os tornará livres, que posso lhes dar uma fórmula que os libertará – mas não
é assim. Eu posso ser a porta, mas vocês devem passar por ela e encontrar a
libertação que está além dela... A verdade chega como um ladrão – quando
menos se espera por ela. Gostaria de poder inventar uma nova língua; como não
posso, gostaria de destruir a velha fraseologia e antigos conceitos. Ninguém
pode lhes dar a libertação. Terão de encontrá-la dentro de si, mas porque eu a
encontrei, eu lhes mostrarei o caminho... Aquele que atingiu a libertação tornou-
se um instrutor. Cada um de vocês têm o poder de entrar na chama, de se
tornarem a própria chama... Porque eu estou aqui, se me tiverem em seus
corações, eu lhes darei a força para alcançá-la. A libertação não se destina aos
poucos, aos escolhidos, aos eleitos.
Jiddu Krishnamurti
Objetivo do Trabalho
UITO JOVEM, antes mesmo de entrar para a
AMORC, li alguns livros de Krishnamurti (11 de
maio de 1895, Madanapalle, Índia – 17 de fevereiro
de 1986, Ojai, California), e, sinceramente, na época, pensei tê-los
MPage 4

entendido. Hoje retomo, via Web, esse contato iniciático com as
palavras de um místico que entendeu muito bem a necessidade de
haver dialética sobreposta à Tradição na constituição de Ordens e
Fraternidades destinadas a encaminhar o ser humano no rumo da
Luz Maior. Fiz isto prazeroso e não como uma obrigação, pois o
estudante sincero do oculto necessita sempre se reciclar,
amadurecendo conceitos e digerindo enunciações metafísicas. Há
diversos websites e diversas páginas que seriamente divulgam o
pensamento e as obras de Krishnamurti. Este é o lado bom da
Internet, no nque toca aos estudantes e praticante de todas as
vertentes do esoterismo não comercial. Foi aí que comecei minha
revisitação do pensamento de Krishnamurti, e, então, resolvi listar
(do que eu li) alguns de seus mais significativos ensinamentos
(segundo meu filtro Rosacruz do que é significativo para a
evolução por harmonização com o pensamento de outrem que
caminhe na Senda) para finalmente poder oferecer esta Monografia
Pública da IOK-BR para reflexão de todos os interessados no tema.
Este estudo, obviamente, está incompleto, e, portanto, não
representa exatamente a linha filosófica do pensamento do Autor,
principalmente porque os fragmentos listados não se encontram em
ordem cronológica de publicação. Em raros casos fiz algumas
pequenas edições (exigência deste tipo de estudo) sem
comprometer ou adulterar o que Krishnamurti expôs. Um resumo
da sua biografia, também aqui apresentada, foi editada e
ligeiramente ampliada de um website (fonte devidamente
mencionada).
Enfim, como sei que muitas pessoas não conhecem o pensamento
filosófico de Krishnamurti, penso que esta modesta contribuiçãoPage 5

será bastante útil. Provavelmente, os fanáticos coloridos de sempre
e os ortodoxos cinzentos de não sei quando não gostarão do que
irão ler, se lerem. Mas aqueles com mente aberta para o ilimitado,
que ainda não conhecem o pensamento de Krishnamurti, tenho
certeza de que aprofundarão seus estudos na obra deste eminente
pensador do século passado. Finalmente, penso que se não se
quiser dizer nada sobre Jiddu, que não se diga; mas não se pode
deixar de admitir, no mínimo, que ele foi um homem corajoso. A
sua biografia demonstra isso.Page 6

Pequena Biografia de Krishnamurti
(Editada da fonte: http://www.krishnamurti.org.br/ )
IDDU KRISHNAMURTI nasceu na Índia em 1895. Reza a
tradição brâmane, à qual sua família era vinculada, que o
oitavo filho deve receber no batismo o nome Krishna, em
homenagem ao Deus Sri Krishna, de quem sua mãe, Sanjeevamma,
era devota; foi o que aconteceu com Krishnamurti, a quem foi dado
o nome de Krishna, juntamente com o nome de família, Jiddu.
J
A partir dos treze anos de idade, Jiddu passou a ser educado pela
Sociedade Teosófica, que o considerava o veículo para o Instrutor
do Mundo, cujo advento proclamavam. Krishnamurti logo emergiu
como um poderoso, descompromissado e inclassificável instrutor,
cujas palestras e escritos não estavam vinculadas a nenhuma
religião específica, não sendo do Oriente nem do Ocidente, mas
para o mundo todo. Todavia, repudiando com firmeza a imagem
messiânica que tentaram lhe impor, em 1929 dissolveu
dramaticamente a grande e rica organização que havia sido criada
à sua volta, e declarou ser a verdade uma terra sem caminhos, à
qual nenhuma religião formalizada, filosofia ou seita daria acesso.
Em certa ocasião afirmou: O homem não pode atingir a verdade
por intermédio de nenhuma organização, de nenhum credo. Tem
de encontrá-la através do espelho do relacionamento, através da
compreensão dos conteúdos da sua própria mente e através da
observação. E assim, rejeitou o insistentemente o estatuto de guia
espiritual que alguns tentaram lhe atribuir. Entretanto, continuou aPage 7

atrair grandes audiências por todo o mundo, mas recusando
qualquer autoridade, não aceitando discípulos e falando sempre
como se fosse de pessoa a pessoa.
A linha mesta dos ensinamentos de Krishnamurti consiste na
afirmação de que a necessária e urgente mudança fundamental da
sociedade só pode acontecer através da transformação da
consciência individual, sem delimitações que sejam impostas por
organizações humanas. A necessidade do autoconhecimento e da
compreensão das influências restritivas e separativas das religiões
organizadas, dos nacionalismos e de outros condicionamentos
foram por ele constantemente realçadas em suas conferências e nos
livros que publicou. Um de seus iluminados momentos está
contido neste excerto: Para que o homem possa se transformar
radicalmente, fundamentalmente, torna-se necessária uma mutação
nas próprias células cerebrais de sua mente. Dizem-nos que
devemos mudar, que devemos agir, que devemos transformar
nossa mente, nosso coração, tornar-nos uma coisa totalmente
diferente. Isso vem sendo pregado há milhares de anos por homens
muito sérios, muito ardorosos, e também por charlatães
interessados em explorar o povo. Mas, agora, chegamos ao ponto
em que não há mais tempo a perder. Compreendei isto por favor.
Não dispomos de tempo para efetuar gradualmente tal
transformação. Os intelectuais de todo o mundo estão
reconhecendo que o homem se acha à beira de um abismo, na
iminência de se destruir a si próprio. Nem religiões, nem deuses,
nem salvadores, nem mestres, nem as lengalengas dos gurus,
poderão impedi-los. Dizem os intelectuais ser necessário inventar
uma nova droga, uma 'pílula dourada' capaz de produzir umaPage 8

completa transformação química; e os cientistas provavelmente
descobrirão esta droga. Não sei se estais bem a par dessas coisas.
Ora, conquanto o organismo físico seja um produto bioquímico,
pode uma droga, uma superdroga, fazer-vos amar, tornar-vos
bondosos, generosos, delicados, não-violentos? Não o creio;
nenhum preparado químico pode fazer os homens se amarem uns
aos outros. O amor não é um produto do pensamento; também não
é cultivável, como a flor que plantamos em nosso jardim. O amor
não pode ser comprado em uma drogaria, e o amor é a única coisa
que poderá salvar o homem – e não os artifícios das religiões, nem
seus ritos, nem todos os exércitos do mundo. Podemos fugir,
assistindo a concertos, visitando museus, entregando-nos a
divertimentos de toda ordem – debalde! – porque o homem se acha
hoje em dia em presença de um tremendo problema: tem a
possibilidade de se transformar radicalmente, de efetuar uma total
mutação de sua consciência, não amanhã, nem daqui a alguns anos,
mas agora! Eis o problema principal: o homem, em qualquer país
que viva, com todas as suas belezas naturais, é capaz de operar
uma mudança radical em seu interior. Imediatamente. E não podeis
resolvê-lo com vossas crenças, vossas ideologias, vossos deuses,
salvadores, sacerdotes e rituais. Essas coisas já não têm o menor
significado. De qualquer forma, mesmo tendo rompido com a
Sociedade Teosófica, parece que Jiddu jamais negou o intenso
preparo iniciático recebido dos Mestres Morya e Kut-Hu-Mi, e há
quem admita que ele foi veículo de Maitreya.
Logo que desfez a organização que havia sido criada para tê-lo
como Instrutor do Mundo, um repórter, considerando um ato
espetacular dissolver uma organização com milhares de membros,Page 9

perguntou-lhe quem se interessaria em escutá-lo, se não queria
seguidores? Krishnamurti respondeu: — Se houver apenas cinco
pessoas que queiram escutar, que queiram viver, que tenham a face
voltada para a eternidade, será o suficiente. De que servem
milhares que não compreendem, completamente imbuídos de
preconceitos, que não desejam o novo? Gostaria de que todos os
que queiram compreender sejam livres, não para me seguir, não
para fazer de mim uma gaiola, que acabe se tornando uma religião,
uma seita. Deverão estar livres de todos os temores (...), do medo
da espiritualidade, do medo do amor, do medo da morte, do medo
da própria vida.
No decorrer de sua longa vida, Krishnamurti, decidida e
insistentemente, rejeitou a posição de guru que tentaram lhe impor.
Continuou a atrair grande audiência através do mundo, mas não
reivindicava autoridade, não queria discípulos e falava sempre
como um indivíduo fala a outro. No cerne do seu ensinamento
estava a conscientização de que é possível produzir mudanças
fundamentais na sociedade apenas pela transformação da
consciência individual. Enfatizava constantemente a necessidade
de autoconhecimento e da compreensão da influência restritiva e
separativa dos condicionamentos religiosos e nacionalistas.
Apontava sempre para a necessidade urgente de abertura, do vasto
espaço no cérebro no qual há inimaginável energia, como
costumava dizer. Isto parece ter sido a fonte de sua própria
criatividade e a chave para seu impacto catalítico sobre uma ampla
gama de pessoas.
Krishnamurti continuou peregrinando e falando mundo afora atéPage 10

sua morte, em 1986, aos noventa anos de idade. Suas palestras e
diálogos, diários e cartas, têm sido preservados em livros e
gravações. Falou em várias universidades a professores e a grupos
de estudantes, nos EUA, na Europa e na Índia. Foi freqüentemente
procurado por pensadores e cientistas, com os quais estabeleceu
debates.
Desde muito jovem, a educação constituiu sua principal
preocupação, tendo fundado várias escolas. Foi, indiscutivelmente,
uma espécie de World Teacher. Hoje, estes centros educacionais
são renomados e recebem jovens de todas as partes do mundo. As
mais famosas são as de Brockwood Park, na Inglaterra, para jovens
a partir de quatorze anos, a de Rishi Valley, na Índia, que recebe
crianças a partir de sete anos, e a de Oak Grove, nos EUA, com
alunos a partir de três anos e meio de idade.
Krishnamurti cumpriu o que se propôs a cumprir. Quantos têm
essa disposição e essa energia?
Livros publicados
Dentre os mais de 60 livros que publicou, alguns títulos são: A
Busca (Poemas), Cartas às Escolas, Comentários Sobre Viver, O
Despertar da Sensibilidade, Diálogos Sobre a Vida, Diálogos
Sobre a Visão Intuitiva, Diário de Krishnamurti, Vida e Morte de
Krishnamurti, A Educação e o Significado da Vida, A Eliminação
do Tempo Psicológico, Ensinar e Aprender, A Essência da
Maturidade, Fora da Violência, O Futuro da Humanidade, OPage 11

Futuro é Agora, Libertação dos Condicionamentos, Liberte-se do
Passado, O Mistério da Compreensão, O Mundo Somos Nós, Novo
Acesso à Vida, Novo Ente Humano, Novos Roteiros em Educação,
Onde Está a Bem-Aventurança, O Passo Decisivo, Palestras com
Estudantes Americanos, A Primeira e Última Liberdade, A
Questão do Impossível, A Rede do Pensamento, Reflexões Sobre a
Vida, Sobre o Amor e a Solidão, Sobre o Aprendizado e o
Conhecimento, Sobre o Conflito, Sobre Deus, Sobre Liberdade,
Sobre o Medo, Sobre a Mente e o Pensamento, Sobre a Natureza e
o Meio Ambiente, Sobre Relacionamentos, Sobre a Verdade,
Sobre a Vida e a Morte, Sobre o Viver Correto, Uma Nova
Maneira de Agir, O Verdadeiro Objetivo da Vida, O Vôo da ÁguiaPage 12

Ensinamentos Selecionados de Krishnamurti
PRESENTO a seguir uma seleção dos principais
ensinamentos de Krishnamurti, voltados para a evolução
da consciência humana através da liberdade, do pleno
exercicio do livre arbítrio e no exercício da razão plena.
A
Os ensinamentos são importantes por si mesmos e intérpretes
ou comentadores apenas os distorcem, sendo aconselhável ir
diretamente à fonte, os próprios ensinamentos, e não se valer de
nenhuma autoridade.
O homem que vive alegre, verdadeiramente feliz, está livre de
todo esforço. Viver sem esforço não significa se tornar estagnado,
embotado, estúpido; ao contrário, só os homens sensatos,
altamente inteligentes, estão verdadeiramente livres do esforço e
da luta.
O importante não é o objeto da luta, porém, sim, compreender a
própria luta.
Poderemos ir longe, se começarmos de muito perto. Em geral
começamos pelo mais distante, o 'supremo princípio', 'o maior
ideal', e ficamos perdidos em algum sonho vago do pensamento
imaginativo. Mas quando partimos de muito perto, do mais perto,
que é nós, então o mundo inteiro está aberto – pois nós somos o
mundo. Temos de começar pelo que é real, pelo que está a
acontecer agora, e o agora é sem tempo. (Grifos meus).Page 13

Aprender não é um mero processo de acumular conhecimentos,
porém de descobrimento de extraordinárias riquezas existentes
além do alcance da mente.
 Se observardes vossa mente, com serenidade e sem dardes
explicações, se deixardes simplesmente que vossa mente esteja
cônscia de sua própria luta, vereis que muito depressa surgirá um
estado no qual nenhuma luta haverá, um estado de extraordinária
vigilância. Nessa vigilância, não há idéia de 'superior' e 'inferior',
não há homem importante nem homem insignificante, não há guru.
Todos esses absurdos desapareceram, por que a mente está
inteiramente desperta. E a mente de todo desperta está cheia de
alegria.
 Descontentamento é a luta pela consecução de mais, e o
contentamento é a cessação dessa luta; mas, não se chega ao
contentamento, se não se compreende todo o 'processo' relativo ao
mais, e por que razão a mente o exige.
Estamos lutando por alguma coisa e nunca nos detivemos para
investigar se essa coisa é digna de lutarmos por ela. Nunca
perguntamos a nós mesmos se ela merece nossos esforços... Só
quando tivermos compreendido inteiramente o significado do mais
é que deixaremos de pensar em termos de fracasso e de êxito.
 Aqueles que realmente desejam compreender, que estão
buscando o eterno – sem início nem fim – caminharão juntos com
maior intensidade e serão uma ameaça para tudo que não éPage 14

essencial, para as irrealidades, para as sombras.
 Meditação é libertar a mente de toda desonestidade. O
pensamento gera desonestidade. O pensamento, no seu esforço
para ser honesto, é comparativo e, portanto, desonesto. Meditação
é o movimento dessa honestidade no Silêncio.
Tudo o que importa ao homem inteligente é perceber os fatos e
compreender o problema – e isso não significa pensar em termos
de êxito ou de fracasso. Só quando não amamos o que fazemos
pensamos nesses termos.
Esperamos sempre que alguém nos diga o que é conduta justa
ou injusta, pensamento correto ou incorreto, e, pela observância
desse padrão, nossa conduta e nosso pensar se tornam mecânicos e
nossas reações automáticas.
 Consoante a história teológica, garantem-nos os guias
religiosos que, se observarmos determinados rituais, recitarmos
certas preces e versos sagrados, obedecermos a alguns padrões,
refrearmos nossos desejos, controlarmos nossos pensamentos,
sublimarmos nossas paixões e se nos abstivermos dos prazeres
sexuais, então, após torturar suficientemente o corpo e o espírito,
encontraremos uma certa coisa além desta vida desprezível. É isso
o que têm feito, no decurso das idades, milhões de indivíduos ditos
religiosos, quer pelo isolamento nos desertos, nas montanhas,
numa caverna, quer peregrinando de aldeia em aldeia a esmolar,
quer em grupos, ingressando em mosteiros e forçando a mente a
ajustar-se a padrões estabelecidos. Mas, a mente que foi torturada,Page 15

subjugada, a mente que deseja fugir a toda agitação, que renunciou
ao mundo exterior e se tornou embotada pela disciplina e o
ajustamento – essa mente, por mais longamente que busque, o que
achar será em conformidade com sua própria deformação.
 A causa primária da desordem existente em nós é estarmos
buscando a realidade prometida por outrem.
Estou apenas a ser como um espelho da vossa vida, no qual
podeis ver-vos como sois. Depois, podeis deitar fora o espelho; o
espelho não é importante.
A compreensão de si próprio é o começo da sabedoria.
Qualquer espécie de filosofia e qualquer espécie de teologia
representam, meramente, uma fuga à realidade do que é.
 Não podeis depender de ninguém. Não há guia, não há
instrutor, não há autoridade. Só existe vós, vossas relações com
outros e com o mundo, e nada mais.
 Normalmente, gostamos de culpar os outros, o que é uma
forma de autocompaixão.
O intelecto não constitui o campo total da existência. Ele é um
fragmento, e todo fragmento, por mais engenhosamente ajustado,
por mais antigo e tradicional que seja, continua a ser uma parte
insignificante da existência, e nós temos de nos interessar pela
totalidade da vida. Quando consideramos o que está ocorrendo noPage 16

mundo, começamos a compreender que não há processo exterior
nem processo interior; há só um processo unitário, um movimento
integral, total, sendo que o movimento interior se expressa
exteriormente, e o movimento exterior, por sua vez, reage ao
interior.
No esforço para ajustar-vos a uma ideologia, recalcais a vós
mesmo e, no entanto, o que é realmente verdadeiro não é a
ideologia, porém aquilo que sois.
 A ordem imposta de fora gera sempre, necessariamente, a
desordem.
Tenho de mudar completamente, desde as raízes de meu ser;
não posso mais depender de nenhuma tradição, porque foi a
tradição que criou essa colossal indolência, aceitação e obediência;
não posso contar com outrem para me ajudar a mudar, com
nenhum instrutor, nenhum deus, nenhuma crença, nenhum sistema,
nenhuma pressão ou influência externa.
 Não perca esse tempo. Olhe a sua vida, dê tudo para a
compreender.
Necessitamos de grande abundância de energia, e a dissipamos
com o medo. Mas, quando existe a energia que vem depois de nos
livrarmos de todas as formas do medo, essa própria energia produz
a revolução interior, radical.
A mente sem medo é capaz de infinito amor. E o amor podePage 17

fazer o que quer.
Não podemos depender de nenhuma autoridade exterior para
promover a revolução total na estrutura de nossa própria psique...
 A compreensão de nós mesmos não requer nenhuma
autoridade, nem a do dia anterior nem a de há mil anos, porque
somos entidades vivas, sempre em movimento, sempre a fluir e
jamais se detendo. Se olhamos a nós mesmos com a autoridade
morta de ontem, nunca compreenderemos o movimento vivo e a
beleza e natureza desse movimento.
Livrar-se de toda autoridade, seja própria, seja de outrem, é
morrer para todas as coisas de ontem – para que a mente seja
sempre fresca, sempre juvenil, inocente, cheia de vigor e de
paixão.
 Esquecei de tudo o que sabeis a respeito de vós mesmos.
Esquecei de tudo o que pensastes a vosso respeito. Vamos iniciar a
marcha como se nada soubéssemos... Iniciemos juntos a jornada,
deixando para trás todas as lembranças de ontem, e comecemos a
compreender-nos pela primeira vez.
Se não há compreensão do sofrimento, não há sabedoria; o fim
do sofrimento é o começo da sabedoria. Para se compreender o
sofrimento e dele se ficar livre completamente, requer-se
compreensão, não só do sofrimento individual, particular, mas
também do imenso sofrer humano.Page 18

 Tempo é sofrimento, não só sofrimento do passado, mas
também sofrimento que inclui o futuro – a idéia de chegar, a
esperança de algum dia nos tornarmos algo, com sua inevitável
sombra de frustração.
 A mente superficial é aquela que se refugia na igreja, em
alguma conclusão, em algum conceito, em alguma crença ou em
alguma déia. Tudo isso são refúgios para a mente em sofrimento.
E, quando nenhum refúgio encontrais, construís em torno de vós
uma muralha e vos tornais acrimoniosos, duros, indiferentes, ou
buscais a fuga em alguma reação neurótica, fácil. Todas essas
fugas ao sofrimento impedem a investigação mais aprofundada [do
que seja o sofrimento].
 A mente superficial não pode resolver o problema do
sofrimento porque sempre procura evitar o sofrimento... Qualquer
espécie de entretenimento, seja uma cerimônia religiosa, seja uma
partida de futebol, é essencialmente a mesma coisa, mera fuga à
vossa aflição, ao vosso vazio interior; e é isto o que estamos
fazendo em toda a parte: buscando em diferentes formas de
entretenimento o auto-esquecimento.
 Ora, quase todos nos satisfazemos com palavras, símbolos,
idéias, e com as nossas reações a essas palavras, de modo que
nunca estamos em intimidade com o fato. Quando subitamente nos
vemos frente a frente com o fato do sofrimento, isso nos causa um
choque, e nossa reação é a fuga a esse fato.
Se desejo compreender profundamente, completamente, o fato
do sofrimento, não posso ter um motivo a ditar minha reação aoPage 19

fato. Só posso viver com o fato e compreendê-lo, quando nenhum
motivo tenho.
 Compreender o sofrimento é [con]viver com ele, olhá-lo,
conhecê-lo como ele realmente é; mas não tendes possibilidade de
conhecê-lo quando o olhais com um motivo – que supõe o tempo.
A mente superficial, incessantemente ocupada em se melhorar, em
se lastimar, em se torturar numa dada relação, desejosa de se
libertar do sofrimento sem enfrentar o fato – essa mente
prosseguirá sofrendo indefinidamente.
 Para se ser livre do sofrimento, é necessário compreender,
consciente e inconscientemente, todo o seu ‘processo', e isso só é
possível vivendo-se com o fato, olhando-o sem motivo. Deveis
perceber as manhas de vossa mente, suas fugas, as coisas
aprazíveis a que estais apegado e as coisas desagradáveis de que
desejais vos livrar com rapidez. Cumpre observar o vazio, o
embotamento e a estupidez da mente que só trata de fugir. E pouca
diferença faz, se se foge para Deus, para o sexo ou para a bebida,
porquanto todas as fugas são essencialmente a mesma coisa.
Existe uma imensidade que ultrapassa todas as medidas, mas
nesse mundo não ingressareis sem a prévia e total extinção do
sofrimento.
Não encontraremos saída de nossa confusão, angústia, conflito,
pela constante repetição do 'Gita', do 'Upanishads' e demais livros
sagrados; isso poderá levar à hipocrisia, a uma vida de
insinceridade, de interminável pregação moral, porém nunca a
enfrentar realidades.Page 20

 Temos de enfrentar-nos assim como somos e não como
deveríamos ser, segundo um certo padrão ou ideal. Temos de ver
realmente o que somos e, daí, iniciar a transformação radical.
A vida inteira, a partir do momento em que nascemos, é um
processo de aprendizado.
 Se realmente entendemos o problema, a resposta virá dele,
porque a resposta não está separada do problema.
A verdadeira revolução não é revolução violenta, mas a que se
realiza pelo cultivo da integração e da inteligência de entes
humanos, os quais, pela influência de suas vidas, promoverão
gradualmente radicais transformações na sociedade.
Não há nada que conduza à verdade. Temos que navegar por
mares sem roteiros para encontrá-la.
Não existe consciência individual; só há Consciência, da qual
somos uma parte. O Eu está relacionado com o todo, esse Eu não é
separado.
 Entendo por 'vida religiosa', não uma vida ritualista, de
ajustamento a determinado padrão, porém a vida religiosa
resultante da autocompreensão. Porque, sem o conhecimento de
nós mesmos – o que realmente somos, por mais desonestos, falsos,
astutos, hipócritas e ignóbeis que sejamos – não teremos base para
nenhuma ação ou pensamento religioso.Page 21

Se não há autoconhecimento, se não há compreensão do eu –
não do 'Eu superior', do Eu com 'E' maiúscula – porém do 'eu
ordinário', do homem que freqüenta diariamente o escritório, que é
apaixonado, irascível, violento, cruel, hipócrita, acomodatício, se
não há essa compreensão total, completa, de todo o nosso ser,
nesse caso, toda ação, todo pensamento e toda idéia só conduzirão
a mais confusão e a mais angústia.
O conflito é o principal fator de deterioração. A compreensão
dos conflitos – compreensão não parcial, porém total – é a mais
importante tarefa da mente humana. Porque só com a completa
terminação do conflito podem acabar todas as ilusões; só então a
mente tem a possibilidade de penetrar fundo na investigação da
Verdade, no investigar se algo existe além do tempo. E só essa
mente é capaz de descobrir o que é o amor e de descobrir o estado
mental criador, porque tudo o mais, em qualquer forma que seja, é
pura especulação. A mente religiosa não especula; move-se tão-
somente, de fato para fato. E não é possível observar o fato quando
há conflito ou tensão de qualquer espécie... A vida
verdadeiramente religiosa é aquela que vivemos com compreensão
do conflito e libertados do conflito.
O conflito surge, decerto, quando há contradição – contradição
de diferentes desejos, diferentes exigências, tanto conscientes
como inconscientes... Só há possibilidade de se resolverem os
conflitos quando a mente é capaz de compreender a si própria.
 No momento em que se começa a acumular, deixa-se de
aprender. Pois só a mente que está fresca, que é nova, só a mentePage 22

que observa com atenção, aprende.
Quando a mente está sempre acumulando, acrescentando algo a
si própria e de tal base observando, então, tudo o que ela observa
recebe o colorido do que antes foi aprendido, do conhecimento
prévio. Essa mente, por conseguinte, é incapaz de compreender um
fato novo. .
 Só podeis compreender alguma coisa quando lhe aplicais
vossas mente, vosso corpo, vossos sentidos, vossos olhos, vossos
ouvidos, tudo. E dessa compreensão resulta a ação total, e não ação
fragmentária, contraditória.
Psicologicamente, vemo-nos inseguros. Por essa razão criamos
deuses, deuses que se tornam nossa segurança permanente! Isso
gera conflitos.
 A função da mente religiosa é descobrir o verdadeiro. E a
verdade [ainda que relativa] não pode ser encontrada num templo
ou num livro, por mais venerando que seja. Vós tendes de
descobri-la por vossos próprios meios. Não podeis comprá-la com
lágrimas, com orações, com repetições, com rituais; por esse
caminho se vai ao absurdo, à ilusão, à insânia.
 A mente se torna sobremodo alertada quando escutamos
simplesmente – isto é, não interpretando o que ouvimos, não
tentando traduzi-lo, não o identificando com o que já conhecemos
– pois isso nos impede de escutar. Mas, se escutardes
simplesmente, escutardes vossos pensamentos, vossas exigências,Page 23

o desespero de vossa existência, não tentando interpretar, traduzir
nada, não tentando fazer alguma coisa em relação ao que se escuta
vereis que vossa mente se tornará sobremodo lúcida.
A primeira coisa que nos cumpre fazer é observar com atenção,
todas as murmurações, todos os temores, ilusões e desesperos de
nosso próprio ser. E vereis então, por vós mesmos – e para isso
não se necessita de provas, nem de gurus, nem de livros sagrados –
se a Realidade existe. E encontrareis, então, um extraordinário
sentimento de libertação do sofrimento. Aí existe a claridade, a
beleza e aquela coisa que está faltando hoje à mente humana: o
amor, a afeição. .
 A religião, evidentemente, perdeu o seu significado, pois
sempre houve guerras religiosas. Ela não resolve os nossos
problemas. As religiões separaram os povos. Poderão ter exercido
determinada influência civilizadora, mas não transformaram
radicalmente o homem.
 Ao desejarmos experiências no terreno religioso, nós as
desejamos porque não resolvemos os nossos problemas, nossas
ânsias, desesperos, temores e tristezas de cada dia; por essa razão
pretendemos algo 'mais'. Nessa pretensão de 'mais' encontra-se a
ilusão.
 As pessoas são facilmente influenciáveis, excessivamente
crédulas, ainda que sejam 'sofisticadas' e muito sabedoras; mas
estão sempre ansiando por alguma coisa, sempre a desejar e, por
essa razão, crêem.Page 24

Pensamos saber, pelo menos um pouco, e esse é o começo da
vaidade.
Há vasta diferença entre estar isolado e estar completamente só,
ser um todo não fracionado. O isolamento é um estado de espírito
em que cessaram as relações e, em nossa vida e atividades diárias,
erguemos (consciente ou inconscientemente) uma muralha em
torno de nós para não sofrermos danos. Esse isolamento,
naturalmente, impede qualquer espécie de relação. 'Estar só'
implica que a pessoa não depende de outra, psicologicamente; não
está apegada a ninguém. Isso não é dizer que não há, então, amor;
o amor não é apego. 'Estar só' significa que, profundamente,
interiormente, não existe nenhum movimento de medo e, por
conseguinte, nenhum movimento de conflito.
A ordem é uma coisa viva, e não uma coisa mecânica; a ordem,
por certo, é virtude. Na mente que se acha confusa, que se ajusta,
que imita, não existe ordem, porém conflito. E em conflito a mente
se acha em desordem e, deste modo, é sem virtude. Já a ordem é
virtude... Como pode a pessoa confusa, que apenas sabe obedecer
ou imitar, ter qualquer espécie de ordem, qualquer espécie de
virtude? (...) A mente em desordem não tem possibilidade de
compreender o que é virtude.
É necessário estarmos livre de toda crença – de toda e qualquer
ligação – porque nós estamos ligados ao todo da vida, e não a um
fragmento dela. Page 25

Necessitamos da liberdade para ligarmos o nosso ser – a nossa
energia, a nossa vitalidade e a nossa paixão – à totalidade da vida e
não a uma de suas partes... Os sistemas tornam a mente mecânica,
não libertam ninguém; poderão prometer a liberdade no fim de
tudo, mas a liberdade está no começo e não no fim.
O pensamento, em si, não pode ser livre, embora fale sobre
liberdade; em si próprio, ele é o resultado das 'memórias',
experiências e conhecimentos trazidos do passado. Em
conseqüência, ele é velho.
 Meditação é descobrir se existe um campo ainda não
contaminado pelo conhecido. Se, meditando, continuo com o que
antes aprendi, com o que já sei, estou, então, vivendo no passado,
no campo de meu condicionamento. Nesse campo não há
liberdade... Meditação é expurgar a mente da vontade.
Só a mente tranqüila pode compreender que, em sua quietude,
há um movimento bem diverso, de diferente dimensão, de outra
qualidade. Esse movimento, sendo inefável, não pode ser expresso
em palavras. O que pode ser descrito só nos leva até este ponto: o
ponto em que, tendo lançado a base correta, percebemos a
necessidade, o valor e a beleza da serenidade espiritual.
A beleza, com efeito, é o total abandono do 'eu'.... Isso acontece
quando não existe nenhum centro constituído pelo 'eu'.
Na Eternidade, não existe tempo.Page 26

Vós, homens, como indivíduos, desenvolveis vossos sentidos
pela luta social, pela autopreservação, e dais início, assim, à
consciência de separação. Desde a infância vos foi incutida a idéia
de que sois uma entidade separada; e desta ilusão provém a divisão
entre 'vosso' e 'meu', no que pensais e no que sentis, no que
possuis... e em todas as cosias. E desta consciência separada
surgem cobiça, inveja, ódio, sentimento de posse, vaidade, alegrias
passageiras, tristezas transitórias e transitórios prazeres.
 A verdade pode ser uma das coisas mais devastadoras e
desconfortáveis. O homem que busca o conforto não deseja a
verdade: deseja apenas segurança, proteção, um refúgio onde não
seja perturbado. Já o homem que busca a verdade tem de abrir a
porta às perturbações e às tribulações, porque só nos momentos de
crise há o estado de alerta, há vigilância, ação. Só então aquilo que
é pode ser descoberto e compreendido.
 Enquanto existir dualidade (o experimentador e a coisa
experimentada, o observador e a coisa observada), haverá
deformação, porque o experimentador é o passado com todos os
conhecimentos e memórias nele acumulados. Insatisfeito com as
atuais experiências, deseja ele uma experiência muito mais
grandiosa. 'Projeta-a' como idéia e trata de alcançar essa 'projeção':
mais uma vez dualidade e deformação.
Para mim, revolução é sinônimo de religião. Com a palavra
'revolução' não me refiro a imediatas reformas econômicas ou
sociais, porém a uma revolução na própria consciência. Todas as
outras formas de revolução, seja comunista, seja capitalista, sejaPage 27

qual for, são puramente reacionárias. Uma revolução na mente –
que significa total destruição do que foi, para que a mente se torne
capaz de ver sem deformação e sem ilusão o que é verdadeiro –
essa é a ação própria da religião.
A mente religiosa é aquela que não está ligada a nada; só ela
pode descobrir o que é verdadeiro e o que é falso. Só ela pode
descobrir se há, ou não, uma Realidade, Deus, uma coisa
Atemporal – mas não a mente ligada a alguma coisa, a mente que
crê ou que não crê. Por certo, não tem mente religiosa o homem
que vai à igreja... A mente religiosa, ou mente nova, é a mente
revolucionária. Porque, então, a mente já não é ambiciosa,
invejosa; percebeu o significado da inveja, da ambição, da
autoridade, e, por conseguinte, livrou-se delas – não no fim, porém
no presente, imediatamente. E essa negação é própria da
meditação. Meditação não é essa coisa simplória consistente em
repetir palavras, sentado à frente de uma imagem, procurando ter
visões e todas as correspondentes sensações; meditação é, sim, o
percebimento constante que nos faz ver o falso e negá-lo
totalmente. Essa negação provê energia – não a energia que nasce
do conflito, não a energia recomendada pela chamada gente
religiosa que nos manda ser celibatários toda a vida etc. Tudo isso
são formas de resistência e, por conseguinte, contradição.
No sentido da palavra 'religioso', é necessária uma revolução
em cada um de nós – revolução total e não parcial. Toda reação é
parcial, e a revolução a que nos referimos não é parcial e, sim, uma
coisa total. E só essa mente pode ter intimidade com a Verdade. Só
essa mente pode ter 'amizade' com Deus – ou o nome quePage 28

preferirdes. Só essa mente pode participar da Realidade.
 Estamos tão absorvidos em nosso trabalho e em nossas
misérias que não temos um momento de lazer para sentir o que é
amar, para ser bom, para ser generoso. E, no entanto, desprovidos
de tudo isso, queremos saber o que é Deus!
 Interiormente, psicologicamente, somos em geral muito
vulgares e limitados sob o peso de nossa ilustração e do nosso
saber. Temos tantos problemas (problemas de relação, problemas
que surgem em nossa vida de cada dia, o que se deve fazer, o que
se não deve fazer, o que se deve crer, o que se não deve crer) nessa
interminável busca de conforto, busca de e segurança e busca de
um meio para fugir ao sofrimento. Temos tantos problemas que se
os víssemos todos em conjunto poderíamos perder as esperanças.
Assim, evidentemente, o que se torna necessário, o desejável e
essencial é uma mente nova, porque, em verdade, tudo o que
tocamos faz surgir um novo problema.
 A verdade não é uma coisa contínua que se possa manter
mediante prática ou disciplina, mas algo que se percebe num
lampejo. A percepção de uma verdade [relativa] não surge através
de qualquer forma do pensamento condicionado, razão pela qual o
pensamento não pode imaginar, conceber e nem formular o que
seja a verdade.
Ordem significa estado mental em que não há contradição e,
portanto, nenhum conflito. Isso não implica em estagnação ou em
declínio. A ordem que obedece a uma fórmula preestabelecida, aPage 29

um ideal ou a um conceito é, simplesmente, desordem. Se um ente
humano se ajusta a um padrão de pensamento – uma certa coisa
ideal que ele deveria ser – nesse caso, está meramente a imitar, a se
ajustar, a se disciplinar, a se forçar, a fim de se adaptar a um
molde. Assim fazendo (como na vida em sociedade vem sendo
forçado a fazer há séculos e séculos, porquanto a sociedade trata
sempre de o controlar mediante diferentes sanções religiosas, leis
etc.), naturalmente, está sempre a se produzir uma grande
desordem.
A moralidade social não é moral mas imoral. Temos de ser
extraordinariamente morais porque, afinal, moralidade é apenas
criar ordem, tanto dentro como fora de cada um de nós. Mas esta
moralidade deve estar na ação, não sendo uma moralidade
meramente baseada em idéias ou conceitos, mas termos uma
conduta verdadeiramente moral.
 Através da história, o homem – percebendo que sua vida é
breve, acidentada e sujeita ao sofrimento e à morte certa – sempre
formulou uma idéia chamada 'Deus'.
A meditação tem tudo o que ver com a vida [e a Vida]. Não é
abandonar-nos a um certo estado extático, emocional. Há uma
qualidade de êxtase que não é prazer; só vem esse êxtase quando
existe em nós mesmos aquela ordem matemática, que é absoluta. A
meditação é o caminho da vida [e a Vida]. Só com ela pode surgir,
em nossa existência, o imperecível, o eterno.
Aprender não é mero cultivo da memória ou acumulação dePage 30

conhecimentos, porém, a capacidade de pensar clara e sãmente,
sem ilusões, partindo de fatos e não de crenças e ideais.
A transformação que se opera no nível consciente não passa de
uma simples continuidade modificada, pois nesse nível a mente
opera de modo superficial, calculando, julgando, pensando; mas
esse processo de calcular, de pesar e de julgar é a continuidade de
uma coisa condicionada. Por conseguinte, por esse meio não se
resolve qualquer problema de modo algum. O que se faz é apenas
modificá-lo, alterar a sua direção; todavia, a nova direção é
confusa, do mesmo modo... Tão-somente ao compreendermos o
processo do nosso pensar e vermos o quanto estão condicionadas
as nossas mentes, só então há uma possibilidade de descobrir o que
é a Verdade, a qual, só ela, pode nos libertar dos nossos problemas.
A verdade é não-continuidade. A verdade de ontem não é a
verdade de hoje. A verdade não é do tempo e, portanto, não é da
memória. Não é algo que se possa experimentar, lembrar, ganhar,
perder ou mesmo realizar. Perseguimos a verdade porque
desejamos ganhá-la e dar-lhe continuidade; e logo que percebemos
isso, realmente o padrão se quebrará, pois a mente, então, já cortou
todas as amarras.
A liberdade não está no fim, mas no começo, porque o fim e o
começo não são diferentes... são idênticos. O começo da sabedoria
é a compreensão do processo total de nós mesmos, e esse
autoconhecimento, essa compreensão, é meditação.
Uma mente equilibrada é sábia; não é moldada por juízos ePage 31

opiniões.
Só podemos compreender algo se repararmos no que esse algo
é, e não se tratarmos de fugir disso ou se tentarmos de convertê-lo
em outra coisa.
Quando condenais uma coisa ou sobre ela tendes uma opinião,
essa opinião ou preconceito deforma a observação.
 Nós, em geral, gostamos de conversas fúteis. As conversas
fúteis são extraordinariamente estimulantes, quer tratem de
Mestres e Devas, quer tratem de nossos vizinhos. Quanto mais
embotados estamos, tanto mais adoramos uma conversa fútil.
Quando estamos enfadados da tagarelice social, desejamos
tagarelar a respeito de algo superior. Estamos interessados, não no
problema da desigualdade, mas, sim, nas guloseimas servidas nas
conversas sobre estranhas entidades que não vemos, que nos
proporcionam um meio de fugirmos à nossa superficialidade.
Afinal de contas, os Mestres e os Devas são nossas próprias
projeções; quando os seguimos, estamos seguindo nossas próprias
projeções. Se eles nos disserem 'abandonai vosso nacionalismo,
abandonai vossas sociedades, não sejais gananciosos, não sejais
cruéis', trataremos imediatamente de substituí-los por outros que
possam nos dar satisfação.
A dificuldade, pois, não está em fazer uma pergunta ou obter
uma resposta, mas, sim, em ver o problema claramente. E quando
há clareza, já não há necessidade de perguntas nem de respostas.Page 32

Assim como o Sol aparece límpido e brilha através das nuvens
escuras, assim, através do vosso próprio discernimento e da pureza
da vossa ação advirá a realização daquela Vida que está sempre se
renovando a si mesma.
O que vos libertará – o que livrará a todos nós do pecado e do
sofrer – é aquele sentimento, aquela percepção do que “é”. É o
conhecê-lo exatamente – e não traduzi-lo, explicá-lo, pô-lo de lado
– é o conhecê-lo exatamente, o percebê-lo livremente, que traz a
liberdade. E é só pela liberdade que se dá a conhecer a Verdade.
 Seguimos a autoridade de outro, a experiência de outro, e
depois duvidamos dela. Esse desejo de autoridade e a sua
conseqüência, a desilusão, constitui um processo penoso para a
maioria de nós. Censuramos ou criticamos a autoridade, o guia, o
mestre, que uma vez aceitamos, mas não examinamos o nosso
próprio anseio por uma autoridade que nos guie e conforte. Uma
vez compreendido esse anseio compreenderemos também o
significado da dúvida.
Se o homem é explorado em nome de Deus ou em nome do
Governo vem a dar no mesmo. Mas como o homem é humano,
chega o dia em que ele deita abaixo o sistema. Enquanto a
educação for a serva do Governo, não há esperanças... Para se
transformar o mundo é necessária uma regeneração dentro em nós
mesmos.
A mente em conflito jamais descobrirá o verdadeiro. Poderá
tagarelar incessantemente acerca de Deus, da bondade, daPage 33

espiritualidade e de tudo mais, mas só a mente que compreendeu
de maneira completa a natureza do conflito e, por conseguinte, se
acha fora dele, só ela pode perceber aquilo a que se não pode dar
nome, aquilo que não pode ser medido.
O contentamento pode ser encontrado? A paz é uma coisa que
possa ser achada pelo processo do intelecto? A felicidade é coisa
adquirível pela compreensão ou pela criação do seu oposto? Esse
sofrimento, esse descontentamento, é essencial em nossa vida? O
fato é que estamos descontentes com o que é, descontentes com as
coisas que temos, descontentes com o que somos; e o
descontentamento surge por causa da comparação. Estou
descontente porque vejo que sois ilustrado, rico, feliz, poderoso. É
essa a causa do descontentamento? Ou vem à existência o
descontentamento quando estou em busca de um caminho por onde
possa me afastar do que é? Se eu puder compreender o caminho do
descontentamento, talvez possa haver felicidade, talvez possa
haver satisfação. Não há caminho para a felicidade, para o
contentamento. Aquele contentamento e aquela felicidade não
constituem um processo de 'estagnação'. Pois, se me vejo
descontente e desejo estar contente, esse caminho me conduz ao
contentamento, que é estagnação; e isso é o que deseja a maioria
de nós.
Nós necessitamos de uma mente nova, uma mente jovem, um
novo coração, uma mente purificada, juvenil, decidida. E para se
ter essa mente tem de haver destruição; tem de haver criação
sempre nova.Page 34

A madureza da mente-coração advém quando ela se liberta de
suas próprias limitações, e não quando se apega à lembrança de
uma 'experiência' espiritual. Se se apega à memória, então ela
habita com a morte e não com a vida. Uma experiência profunda
pode abrir a porta para a compreensão, para o autoconhecimento e
para o reto pensar. Mas, para muitas pessoas ela se torna apenas
um estímulo agitante, uma lembrança, perdendo logo o seu
significado vital, e impedindo a continuação da 'experiência'.
Só poderá haver uma radical transformação interior e exterior
quando o pensamento-sentimento se desprender dos valores
sensuais geradores de conflito e sofrimento.
A resistência é mero isolamento, e a mente do homem que,
consciente ou inconscientemente, está sempre procurando se
isolar, torna-se embotada por causa dessa resistência.
Só pelo pensar correto pode haver ação correta.
 Uma revolução dentro das muralhas de isolamento não é
revolução. A verdadeira revolução só será possível depois de
destruirdes as muralhas de isolamento, e isso só ocorrerá quando
não mais estiverdes em busca de poder.
Enquanto houver conflito, haverá poder de criar ilusões, e com
a total cessação do conflito todo medo terá cessado, e, portanto,
não há mais busca.
Tenho de conhecer a mim mesmo tal como sou, e não comoPage 35

acho que devo ser. Tenho de me conhecer como o centro a partir
do qual estou agindo, a partir do qual estou pensando, o centro
formado pelo conhecimento acumulado, por pressupostos, pela
experiência passada, que são coisas que impedem uma revolução
interior, uma radical transformação de mim mesmo. E como temos
um tão grande número de complexidades no mundo atual, com
tantas mudanças superficiais acontecendo, é necessário que haja
essa mudança radical no indivíduo, porque só o indivíduo, e não o
coletivo, pode criar um novo mundo.
 Para descobrirdes o que é falso, cumpre percebê-lo
lucidamente, observar todas as coisas que estais fazendo, pensando
e sentindo; e, como resultado disso, não apenas descobrireis o que
é falso, mas virá também uma nova vitalidade, uma nova energia, e
essa energia determinará que espécie de trabalho deveis ou não
deveis fazer.
Quando há competição, o espírito está nublado pelo temor. Há
temor quando não se sabe enfrentar o vasto e complexo problema
do viver. Enfim, há temor quando há ambição. O homem feliz não
é ambicioso; só os ambiciosos são infelizes.
 Certamente o professor não é um simples distribuidor de
informação; o professor é alguém que aponta o caminho para a
sabedoria. E aquele que aponta o caminho para a sabedoria não é o
guru. A verdade é muito mais importante do que o professor;
portanto, quem está em busca da verdade deve ser
simultaneamente estudante e professor.Page 36

Para se perceber qualquer coisa na vida, tem que haver uma
certa calma na mente, não uma calma disciplinada – nesse caso não
é calma, é uma mente sem vida. Ora, uma mente em conflito não
deixa observar nada, observar eu próprio. Portanto, se estou em
permanente conflito, em constante movimento, a mexer, a falar,
eternamente a fazer perguntas, a explicar; aí não é possível haver
qualquer observação. É isso que a maior parte de nós faz, quando
estamos perante 'o que é'. Portanto, vemos que só pode haver
observação quando não há conflito. Para não haver conflito,
podemos tomar um tranqüilizante, um comprimido, para ficarmos
tranqüilos, mas não é isso que dá percepção, isso apenas nos faz é
dormir; e isso é provavelmente o que a maior parte de nós quer.
Ora, para observar, tem que haver uma certa tranqüilidade na
mente; e se se vê ou não o que é a verdade, depende da qualidade
da mente.
 Para conhecerdes a Deus, vós não O deveis buscar. Se O
buscais, estais fugindo do que é, e esta é a razão por que perguntais
se há ou não há Deus. Quereis escapar do vosso sofrimento,
refugiar-vos numa ilusão. Vossos livros estão cheios de Deus,
vosso templo está cheio de imagens feitas pela mão; mas Deus não
está nessas coisas, porque todas elas são fugas do vosso sofrimento
real. Para encontrarmos a realidade, ou, melhor, para que a
realidade se nos manifeste, deve cessar o sofrimento. E e a mera
busca de Deus, da imortalidade, é uma fuga do sofrimento.
Todos somos invejosos de diferentes maneiras. Não há um só
que não seja invejoso. Mas a inveja não é apenas uma
manifestação superficial; ela é aquele senso de comparação quePage 37

penetra tão fundo e ocupa uma tão grande porção da mente. Para
ficarmos radicalmente livres da inveja tem de deixar de existir o
'observador' da inveja que quer se libertar da própria inveja.
 A vida é um todo completo, sem começo nem fim. É esse
êxtase, essa sabedoria, que produz a plenitude do viver no
presente.
Compreender o isolamento não é um ato burguês; não podeis
compreendê-lo enquanto houver em vós a dor daquela
insuficiência não revelada que acompanha o sentimento de vazio e
frustração. 'Estar só' não é isolamento, e nem tampouco, o seu
oposto; é um 'estado de ser' em que há completa ausência da
experiência e do conhecimento.
A nossa consciência é o resultado de nossas reações, de nossas
crenças, de nossa fé, de todos os nossos preconceitos, da
multiplicidade de opiniões, dos medos, da insegurança, da dor, do
prazer e de todo o sofrimento que os seres humanos têm
experimentado há milhares de anos... Compartilhamos da
consciência de toda a Humanidade, pois, nossos sofrimentos,
nossos prazeres, nossas crenças, nossas conclusões e nossas
opiniões, como também todos os dogmas religiosos e todas as
doutrinas, são compartilhados por todos os seres humanos na
Terra... Todavia, interiormente, continuamos mais ou menos como
éramos há milhares de anos.
 O pensamento criou Deus, as ideologias, as guerras e o
assassínio de milhões de pessoas em nome de Deus. Também criouPage 38

todas as coisas das igrejas, dos templos, das mesquitas e as nossas
próprias relações.
Os problemas surgem porque estamos condicionados.
Para perceber o verdadeiro, a mente deve estar livre de todo
condicionamento, de sua particular cultura, livre de toda e
qualquer crença. Porque toda crença se baseia no desejo de
consolação, de segurança ou no medo. Vós não credes que o Sol se
erguerá amanhã; sabeis que ele se erguerá. Só a mente que, vendo-
se incerta e confusa, busca segurança e consolação. Em uma
palavra: crê. Deveis, pois, estar totalmente livres de crenças, vale
dizer, livres de conclusões e ideais.
A mente deve tornar-se pura, nova. Não pode ser nova e pura
se há acumulação de saber ou a mera repetição das palavras de um
instrutor ou o resultado final de uma certa prática.
Para estarmos cônscios, temos de observar.
 A mente religiosa difere sobremodo daquela que crê na
religião. No sentido psicológico, a mente religiosa está livre da
sociedade, livre também de todas as formas de crença, todas as
formas de exigência de experiência e auto-expressão. O homem
sempre criou, através das idades, um conceito a que deu o nome de
'Deus'. Para o homem, a crença nesse conceito chamado 'Deus'
sempre foi necessária, porque vê que a vida é desgraçada – uma
sucessão de batalhas, conflitos e aflições– com uma ocasional
centelha de luz, de beleza e de alegria... No Ocidente, há umPage 39

Salvador; só por meio Dele pode se achar aquela Coisa Suprema.
Todos os sistemas do Oriente e do Ocidente implicam em um
constante controle, uma constante deformação da mente a fim de
ajustá-la ao padrão fixado pelo sacerdote, pelos livros sagrados,
por todas essas coisas deploráveis que constituem a essência
mesma da violência. Sua violência não consiste apenas em
renunciar à carne, mas, também, em renunciar a toda forma de
desejo, a toda forma de beleza, por meio do ajustamento a
determinado padrão.
A supressão nunca resolve um problema. Nem a autodisciplina
o faz. Isto é apenas substituir um problema por outro.
Você é memória; sem memória você não é nada. Memória de
seu nome, memória de sua família, memória de matemática,
memória de subir aquela colina, memória de seu amigo. Certo?
Então, você é memória. Memória é algo morto, que se foi.
A Realidade está presente aqui neste momento, imediatamente
ao nosso alcance. O eterno, o atemporal existe agora, e não pode o
agora ser compreendido por aquele que está preso na rede do
tempo. Para se libertar o pensamento do tempo requer-se ação,
porquanto a mente é preguiçosa, indolente, razão por que está
sempre a criar novos obstáculos. Essa libertação só é possível
mediante a meditação correta – que significa ação completa – e
não ação contínua, e a ação correta só pode ser realizada quando a
mente compreende o processo de continuidade, que é a memória,
não a memória 'fatual' (relativa aos fatos) mas a memória
psicológica...Page 40

O amor é uma coisa nova, fresca, viva. Não tem ontem nem
amanhã. Está além da confusão do pensamento. Só a mente
inocente sabe o que é o amor... Só é possível encontrar o amor –
essa coisa maravilhosa que o homem sempre buscou
sequiosamente por meio de sacrifícios, de adoração, das relações,
do sexo, de toda espécie de prazer e de dor – alcançando a
compreensão de si próprio. O amor não conhece o oposto, não
conhece conflito.
Quando puderdes ver a beleza da árvore, quando puderdes ver
a beleza de um sorriso, quando puderdes ver o Sol a deitar-se atrás
dos muros da cidade – ver totalmente – sabereis, então, o que é o
amor.
É, pois, a vigilância constante que nos dá autoconhecimento
profundo e vasto.
 A palavra nunca é o real, mas facilmente nos deixamos
arrebatar ao alcançarmos o segundo grau do percebimento, aquele
em que o percebimento se torna pessoal e, por influência da
palavra, nos tornamos emocionais. Temos, pois, o percebimento
superficial da árvore, do pássaro, da porta, e temos a reação a esse
percebimento, ou seja, o pensamento, o sentimento, a emoção.
 Na bem-aventurança do Real não existe 'experiente' nem
'experiência'. Uma mente-coração sobrecarregada das lembranças
do passado não pode viver no Eterno Presente. Deve a mente-
coração morrer a cada dia para que haja Eternidade.Page 41

 O pensamento é fragmentário; faça o que fizer, ele trará
fragmentação.
Para vivermos de acordo com os princípios morais verdadeiros
e a virtude temos de estar profundamente integrados no âmbito da
ordem. Se formos plenamente sérios, interessados de verdade no
fenômeno da existência como um todo, é importante descobrirmos
sozinhos se há algo inominável fora do tempo, que não tenha sido
formado pelo pensamento, que não seja mera ilusão da mente
humana ansiando por experiências do além.
A liberdade dará à vida um significado diverso; o sexo terá
diferente significação, haverá paz no mundo, e não divisão entre os
homens. Mas deveis possuir a energia necessária para olhar; quer
dizer: olhar com a Mente e o Coração, e não com olhos cheios de
medo.
 Só há transformação total quando o observador é a coisa
observada, pois o observador nada pode fazer em relação àquilo
que observa.
 O pensamento é a origem do medo. Se não houvesse
pensamento, não haveria medo. Se nenhum pensamento
tivéssemos a respeito da morte (como, por exemplo, 'que
aconteceria se eu morresse?') e a morte ocorresse neste mesmo
instante, não teríeis medo nenhum. É o pensamento a respeito da
morte que vos infunde temor, temor proveniente da experiência do
passado e 'projetado' no futuro... Quando o medo deixa de existir,
quando o medo finda, não há mais sofrimento.Page 42

A potência criadora surge quando estamos livres da servidão
do anseio, com o seu conflito e seus pesares. Pelo abandono do
'eu', com sua positividade e crueldade, com suas lutas incessantes
por vir-a-ser, surge a Realidade criadora. Na beleza de um pôr de
sol ou de uma noite calma, já não sentistes uma alegria intensa e
criadora? Em um momento desses, estando o 'eu' temporariamente
ausente, ficais suscetíveis, abertos à Realidade. Essa é uma
ocorrência rara, não-buscada, independente de nossa vontade, mas
o 'ego', havendo-a provado uma vez, em toda a sua intensidade,
quer continuar a se deleitar com ela, e por isso começa o conflito.
A existência é dolorosa e complexa. Para compreendermos os
pesares que nos invadem a existência, devemos pensar-sentir de
uma maneira nova, devemos enfrentar a vida de maneira simples e
direta; se possível, devemos começar cada dia renovados.
Devemos ser capazes, em cada dia, de fazer uma nova avaliação
dos ideais e dos padrões que criamos. A vida só pode ser
compreendida, profunda e justamente, tal como existe em cada um
de nós; vós sois essa vida, e sem a compreenderdes não pode haver
tranqüilidade e alegria permanentes.
Sede serenos, tranqüilos. Vede as árvores, os pássaros, o céu, a
beleza, as riquezas da existência humana. Observai silenciosa e
vigilantemente. Nesse Silêncio se manifesta aquela Coisa
indefinível, imensurável, atemporal.
 No fundo, geralmente, a nossa vida é confusão, desordem,
aflição e agonia. Quanto mais sensíveis somos, tanto maior o nossoPage 43

desespero a nossa ansiedade e o nosso 'sentimento de culpa'. E
dessa vida desejamos naturalmente fugir, porque nela não
encontramos nenhuma solução... Desejamos fugir para um outro
mundo, para uma outra dimensão. Fugimos por meio da música, da
arte, da literatura; mas, trata-se sempre deuma fuga, e a coisa para
que fugimos é sem realidade, em comparação com aquilo que
estamos buscando. Todas as fugas são iguais, não importa se
fugimos pela porta de uma igreja em busca de Deus ou de um
Salvador ou pela porta da bebida ou de diferentes drogas. Não só
temos de compreender o quê e porquê estamos buscando, mas
também temos de compreender essa necessidade de experiências
profundas e duradouras, porque só a mente que nada busca, que
não exige experiências de nenhuma forma, poderá ingressar em
uma esfera ou dimensão inteiramente nova.
A grandeza da liberdade – a verdadeira liberdade, a dignidade,
a sua beleza – está em nós mesmos quando a ordem é completa. E
essa ordem só vem quando somos uma luz para nós mesmos.
Só a mente livre pode dar atenção a uma coisa e depois 'soltá-
la' – e isso é bem diferente de ficar ocupado com ela. A mente
ocupada jamais poderá ser livre.
Os opostos sempre trazem conflito. ‘Eu gostaria de fazer isso,
mas não tenho vontade de fazê-lo’. ‘Eu gostaria de agir dessa
forma, mas não posso’. Então, deve-se perceber claramente este
fato: existe tão-somente ‘o que é’ e não o seu oposto... A mente
sem clareza sempre escolhe; a mente confusa vai, inevitavelmente,
escolher. Para a mente que vê claramente não há qualquer escolha.Page 44

Portanto, clareza não é o oposto de ‘o que é’. A compreensão de ‘o
que é’ e a transcendência disso produzem clareza.
 A vida é um contínuo movimento de relações, e só quando
compreendermos essas relações – como um todo e não
fragmentariamente – poderemos resolver nossos problemas
individuais.
O tempo trará compreensão? Tereis compreensão amanhã? Ou
só há compreensão no presente ativo, agora? Compreensão é ver
uma dada coisa totalmente, imediatamente. Mas essa compreensão
é impedida pela avaliação, sob qualquer forma. Verbalizar,
condenar, justificar etc. impedem o percebimento.
A sabedoria é a compreensão do fluxo contínuo da Vida ou da
Realidade e somente é apreendida quando a mente está aberta, isto
é, quando a mente não mais está embaraçada pelos seus próprios
desejos de autoproteção, reações e ilusões. Nenhuma sociedade,
nenhuma religião, nenhum sacerdote e nenhum líder poderão dar,
jamais, a sabedoria. É só pelo nosso próprio sofrimento e pela
atenção dada à causa do sofrimento – ao qual tentamos escapar
aderindo a corporações religiosas e mergulhando em teorias
filosóficas – que a sabedoria nasce natural e suavemente.
É necessária uma revolução total do nosso pensar, para que o
Atemporal possa acontecer.
 A mente deve achar-se completamente só, não-influenciada,
não-contaminada e, portanto, livre do tempo, pois só então pode sePage 45

manifestar o Imensurável, o Atemporal.
 Pode-se ver muito claramente como tem início o
condicionamento, como, no mundo cristão, dois mil anos de
propaganda levaram à veneração da cultura cristã, enquanto a
mesma coisa sucede no Oriente. É assim que a mente, em virtude
da propaganda, da tradição, do desejo de segurança, começa a
condicionar a si própria.
Pois tal é o propósito da vida: partir, como centelha de uma
Chama, para colher experiência, e, a seu tempo, voltar a se juntar a
essa Chama.
Para onde quer que fordes, por onde quer que andeis, existe o
anseio de descobrir uma morada onde possais habitar
pacificamente e em tranqüilidade, onde vós pensais em se tornar
uno com o Reino da Felicidade. Há muitos modos de buscar e
atingir essa Felicidade, porém, o fim, a meta, é a mesma para
todos, pertença o homem a que temperamento ou tipo pertencer.
Seja qual for o seu meio de atividade no mundo, a meta para ele é a
conquista da Felicidade e da Libertação. Pois uma vez que tenhais
percebido este fim, para atingi-lo deixareis de lado todas as coisas
transitórias, todas as causas que passam com o contato da tristeza.
 Se vedes que sois preguiçosos, que sois estúpidos, e se
compreendeis a preguiça e olhais de frente a estupidez, sem
procurar mudá-la noutra coisa, então, nesse estado, encontrareis
extraordinária liberdade, grande beleza, vasta inteligência.Page 46

A questão não é de como se ter menos [ou mais] mestres em
uma escola, mas, sim, de como fazer nascer em nossas relações
uma inteligência não-limitada, não-temerosa, mas realmente
revolucionária e criadora.
 A mente que está só encontra-se liberta de todo o seu
condicionamento.
O professor não é o 'esclarecedor', não é o 'inspirador', não é o
'guia', não é o 'herói' e não é o 'exemplo'. A verdadeira função de
um professor é completamente diferente: é a de ajudar o estudante
e educá-lo para perceber todos os problemas. Nenhum estudante
pode perceber os problemas, se existe medo – medo de ordem
econômica, social ou religiosa.
O Silêncio não é apenas uma virtude verbal ou uma asserção
verbal que procura se realizar. Do Silêncio decorrem todas as
ações. Quando O compreendemos profundamente, percebemos o
que somos. Só nesse Silêncio se pode ver o que é totalmente
'novo', aquilo em que não há lugar para o pensamento, porque o
pensamento é reação do 'velho'. O pensamento funciona sempre na
esfera do conhecido. Só a mente silenciosa – aquela que está
completamente vazia do conhecido – pode perceber o que é 'novo'.
Só essa mente pode se encontrar com algo para o qual não há
palavra nem medida de tempo.
Quando a mente está ocupada [agitada], seja com Deus, seja
com assuntos culinários, com uma pessoa, com uma idéia, com
uma virtude, sua ocupação, inevitavelmente, tende de criarPage 47

problemas.
A única coisa que tem importância é que propineis a água que
extinguirá a sede do povo – o povo que não está aqui, que está no
mundo. E a água que haverá de dar satisfação, que purificará os
corações e que enobrecerá as mentes é esta: encontrar a Verdade e
o estabelecimento na mente e no coração da Libertação e da
Felicidade.
Religião, no verdadeiro sentido da palavra, não cria separação.
Só a mente realmente humilde não está explorando... Acha-se a
mente no estado de 'não-exploração' quando está em Silêncio,
sozinha, quando não adquire, nem busca êxito, nem galga os
degraus da popularidade. Só essa mente pode trazer a sanidade a
este mundo tão cheio de crueldade e exploração.
 Só haverá reconciliação do homem e do cidadão quando o
processo psicológico do homem for compreendido.
Há medo, deterioração e destruição da mente quando ela está
constantemente a buscar segurança ou quando está onerada do
desejo de se preencher.
Deus só poderá ser encontrado quando a mente não mais busca
vantagem para si.
 Releva, pois, investigar profundamente a questão do
condicionamento, sem nos limitarmos a aceitar a asserção de outroPage 48

sobre se a mente pode ou não se libertar. Cabe a cada um
investigar e libertar a si próprio. Penso que, então, algo se
descobrirá além de todas as palavras, algo verdadeiramente
incomunicável. O homem que realizou, que experimentou por si
mesmo essa coisa, é um homem verdadeiramente religioso, porque
já não está sob a influência da sociedade – essa estrutura de
ambição, aquisição, inveja e atividade egocêntrica.
 Qualquer escolha entre diferentes influências denota sempre
um estado de mediocridade. A mente que escolhe entre duas
influências e começa a viver em conformidade com a influência
preferida, continua a ser medíocre, pois essa mente nunca se acha
em um estado de revolta [indignação], e a revolta é essencial para
que se possa descobrir algo.
O impulso de buscar a verdade nasce a partir do sofrimento; no
sofrimento radica a causa da insistente investigação e busca da
verdade.
Quando alguém realmente ouve e mergulha em si mesmo com
profundidade é uma purificação. E aquilo que está purificado
recebe uma bênção que não é a bênção das igrejas.
O pensamento é o resultado do passado a atuar no presente; as
vagas do passado estão continuamente submergindo o presente. O
presente, o novo, está sempre sendo absorvido pelo passado, o
conhecido. Para se viver no eterno presente, é necessário morrer
para o passado, para a memória; nesta morte há renovação, sem a
limitação do tempo.Page 49

 Todos nós, velhos e jovens, desejamos ser altamente
respeitáveis, não é verdade? Respeitabilidade implica em
reconhecimento por parte da sociedade; e a sociedade só reconhece
quem teve êxito, quem se tornou importante e famoso, e
[cruelmente] despreza o resto. Por isso, adoramos o êxito e a
respeitabilidade. Só quando pouco vos importar se a sociedade vos
considera respeitável ou não, quando não mais buscardes o êxito,
quando não mais desejardes vos tornar alguém, então, passará a
existir intensidade. Isso significa que não existirá mais medo, nem
conflito, nem contradição interior. Por conseguinte, passareis a
dispor de abundante energia para acompanhardes o fato 'até o fim'.
O nosso problema está no fato de a nossa vida ser vazia e de
não conhecermos o amor; conhecemos as sensações, conhecemos a
publicidade, conhecemos as exigências sexuais, mas não há amor...
A fuga é um processo de isolamento, e a verdade é que só poderá
haver comunhão quando houver amor. Só então será resolvido o
problema da solidão.
Apenas a mente realmente simples pode observar e amar.
 Sendo a vida aquilo que é – geralmente muito superficial,
vazia, tortuosa, sem grande sentido – tenta-se inventar um
significado, dar-lhe um sentido. Se se tem uma certa habilidade
mental, o significado e o sentido dessa invenção tornam-se
bastante complicados. E ao não encontrarmos a beleza, o amor ou
o sentido da imensidade, isso pode nos tornar céticos e descrentes
de tudo. É claro que é absurdo e ilusório, sem qualquer significado,Page 50

inventar uma ideologia, uma fórmula, afirmar que há Deus ou que
não há, quando a vida não tem qualquer significado – o que é
verdade – vivendo da forma como vivemos... Temos de pôr de
lado todas as teologias e crenças. Se assim procedermos, então,
deixa de haver qualquer forma de medo.
 Não se pode encontrar a verdade, ou a faculdade divina da
compreensão, enquanto estivermos apegados à família, à tradição
ou ao hábito. Ela só poderá ser encontrada quando estiverdes em
plena nudez, despidos de vossos desejos, das esperanças e das
cautelas. Nessa simplicidade direta está a riqueza da vida.
 Só a mente religiosa pode promover a ordem neste mundo
cheio de confusão e sofrimento. E vossa obrigação – vossa e de
ninguém mais – é promover, enquanto estais vivendo neste mundo,
aquela vida criadora. Só essa é a mente religiosa, a mente bem-
aventurada.
Se uma pessoa sabe que a verdade não pode ser achada por
intermédio de ninguém, de nenhum livro, de nenhuma religião; se
uma pessoa sabe que a Realidade só se torna existente quando a
mente está tranqüila; que a tranqüilidade só pode vir com o
autoconhecimento e que o autoconhecimento não lhe pode ser
dado por ninguém, mas tem de ser descoberto por ela própria,
momento por momento, então, por certo, aparece uma
tranqüilidade mental, que não é morte, mas uma paz realmente
criadora, e só então pode surgir o Eterno.
 Para enfrentar uma coisa inteiramente desconhecida,
necessitamos de muita energia, não? E tal só é possível quando jáPage 51

não existe mais vontade, já não existe mais resistência, já não
existe mais escolha e já não existe mais dissipação de energia. Para
enfrentar o que desconhecemos temos de contar com a mais
intensa energia, e, quando ocorre essa energia total, haverá
porventura medo da morte? Ou haverá medo de continuar? Só
quando vivo uma vida de resistência, de vontade e de escolha é que
tenho medo de não Ser ou de não Viver. Mas, quando a mente está
diante do desconhecido e livre de tudo mais, há uma enorme
energia. E nessa Suprema Energia, que é Inteligência, há morte?
Verifiquem.Page 52

Conclusão, uma pergunta e a resposta
STE DESPRETENSIOSO estudo está inacabado, isto é,
não pôde ser concluído. Motivo: a obra de Krishnamurti é
monumental. Por isso mesmo não apresentarei nenhuma
consideração final. Isso seria, em um certo sentido, apocopar seu
pensamento. Creio que para deixar bem claros os conceitos de
Krishnamurti sobre a instrução da mente humana através de
organizações esotéricas – o que considero muito importante para a
melhor compreensão de sua filosofia libertária – torna-se
interessante apresentar nesta Monografia um debate que foi feito
em torno de uma famososa pergunta endereçada a Krishnamurti
em 7 de Dezembro de 1947, em Madras: “A organização se torna
mais importante que a busca da realidade?”
E
Prestem atenção na longa resposta de Krishnamurti e meditem
sobre ela...
Pergunta: Você foi anunciado pela Sociedade Teosófica como
sendo o Messias e o Instrutor do Mundo. Por que você saiu da
Sociedade Teosófica e renunciou ao papel de Messias?
Krishnamurti: Vamos examinar a questão das Organizações.
Existe uma história bem engraçada que conta que o diabo e um
amigo estavam passeando quando viram, a sua frente, um homemPage 53

abaixar-se e pegar algo brilhante do chão. Ele olhou para aquilo
com deleite, colocou-o no bolso e continuou caminhando.
O amigo perguntou: "O que aquele homem achou que o
transformou tanto?" O diabo respondeu: "Eu sei, ele encontrou a
verdade." "Por Deus!"- exclamou seu amigo: "Isto deve ser um
mau negócio para você!". "De jeito nenhum"- o diabo respondeu
com um sorriso malicioso: "Vou ajudá-lo a organizá-la, a
institucionalizá-la, você vai ver só!"
Pode a verdade ser organizada? Você pode encontrar a verdade
através de uma organização institucional? Para encontrar a
verdade, você não deve ir além e acima de todas as organizações
mundanas?
Afinal de contas, por que todas as organizações espirituais
existem? Elas estão baseadas em diferentes crenças, não? Você
acredita em uma coisa e o outro acredita nisso também e em volta
dessa crença vocês formam uma organização, uma associação. E
qual é o resultado?
Crenças e organizações estão sempre separando as pessoas,
excluindo umas das outras; você é um hindu e eu sou um
mulçumano, você é um cristão e eu sou um budista. Crenças, ao
longo de toda História, atuaram como uma barreira entre os seres
humanos, e qualquer organização, baseada em crença, deve
inevitavelmente produzir guerra entre os seres humanos; e isso
tem acontecido vezes sem conta. Nós falamos de fraternidade, masPage 54

se você tem uma crença diferente da minha, estou pronto para
cortar sua cabeça; nós temos visto isso acontecer inúmeras vezes.
As organizações são necessárias? Você entende que não estou
falando das organizações formadas para conveniência mútua dos
seres humanos na sua existência cotidiana, como Correios, etc.
Estou falando das organizações psicológicas e das chamadas
organizações espirituais.
Elas são necessárias?
Elas existem na suposição que irão ajudar o ser humano a
encontrar a verdade, ou Deus, ou seja lá o que você queira. Elas
são um meio de propaganda, para converter o outro, para
aumentar o número de adeptos, etc; você quer falar para os
outros o que você pensa, ou o que você aprendeu, o que parece ser
verdadeiro para você. E a verdade pode ser propagada? O que é
verdade para alguém, quando propagado, certamente deixa de ser
verdade para o outro. Não?
Certamente, a realidade, Deus ou seja lá o nome que você der a
isso, não é para ser propagado. Cada um deve experimentar por si
mesmo e essa experiência não pode ser organizada; no momento
que é organizada, propagada, ela cessa de ser verdade, ela se
torna uma mentira, portanto, um impedimento à realidade,
porque, afinal de contas, o real, o imensurável, não pode ser
formulado, não pode ser colocado em palavras, o desconhecido
não pode ser medido pelo conhecido, pela palavra, e quando vocêPage 55

o mede, ele cessa de ser verdade, deixa de ser real e, portanto, é
uma mentira - e somente uma mentira é que pode ser propagada.
E organizações, que supostamente estão baseadas na busca da
verdade, fundadas para a busca do real, tornam-se instrumentos
dos propagandistas, e assim elas deixam de ter qualquer
significado; não apenas a organização que está em questão, mas
todas as organizações espirituais, elas se tornam meios de
exploração.
Elas adquirem propriedades e a propriedade se torna
tremendamente importante; passam a procurar mais membros e
começa todo aquele negócio; as pessoas não vão encontrar a
verdade porque a organização se torna mais importante que a
busca da realidade. E nenhuma verdade pode ser encontrada
através de qualquer organização porque a verdade vem quando
existe liberdade, e liberdade não pode existir quando existe
crença, pois crença é apenas o desejo de segurança, e a pessoa
que está presa na sua necessidade de segurança nunca pode
descobrir a verdade.
Agora, a respeito do papel de messias, é muito simples. Eu nunca
neguei isso e não penso que tenha grande importância se eu
neguei ou não. O que é importante para você é se o que eu digo é
verdade. Assim, não se prenda ao rótulo, não dê importância ao
nome. Se eu sou o instrutor do mundo ou messias, ou qualquer
outro, é certamente sem importância.Page 56

Se o nome se tornou importante, então você vai deixar escapar a
verdade do que estou dizendo, porque você irá julgar pelo rótulo,
e o rótulo é inconsistente. Alguém vai dizer que eu sou o messias,
e outro vai dizer que não sou, e onde você fica? Fica na mesma
confusão e na mesma miséria, no mesmo conflito.
Assim, certamente a questão tem muito pouco significado. Sinto
muito desperdiçar seu tempo com essa questão. Se eu sou ou não o
messias é de muito pouca importância. Mas o que é importante, se
você é realmente sério, é descobrir se o que digo é verdade, e você
só pode descobrir se o que eu digo é verdade, examinando-o, e
estando agora atento ao que estou dizendo e descobrindo se o que
estou dizendo pode ter efeito na sua vida diária.
O que estou dizendo não é tão difícil de entender. O intelectual irá
achar muito difícil porque sua mente está distorcida, e o devoto
também irá achar extremamente difícil, mas a pessoa que está
realmente procurando irá entender por causa da sua
simplicidade.
E o que estou dizendo não pode ser posto em poucas palavras e
não vou tentar dizê-lo em poucas palavras. As várias palestras
que eu tenho dado e minhas respostas às perguntas irão revelar
isso, se você está interessado no que estou dizendo.
Um dia, farei um segundo volume ou um ensaio mais consistente
sobre um tema específico das concertadas reflexões sobre
Krishnamurti e seu pensamento místico-iniciático.E finalmente: sePage 57

eu tivesse que escolher três palavras para definir a essência dos
textos de Krishnamurti que li, escolheria: LIBERDADE MÍSTICA
ATEÍSTA.
Janeiro de 2007,
Rodolfo R+C
-----------------------------------------------------------------------------------------
NOTAS DO AUTOR
Páginas da Internet e Websites Consultados:
Lista Christian Rosenkreutz na Yahoo, mensagens de Robespierre e Alexandre David
(Hercules): http://br.groups.yahoo.com/group/christianrosenkreutz/
http://www.impactconsulting.co.uk/Coaching/conflict-management.htm
http://tuljo.store20.com/krishnamurti/portuguese/index.php
http://www.katinkahesselink.net/kr/
http://en.wikipedia.org/wiki/Jiddu_Krishnamurti
http://pt.wikiquote.org/wiki/Jiddu_Krishnamurti
http://www.kfa.org/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Jiddu_Krishnamurti
http://www.j-krishnamurti.org/JKrishnamurti.html
http://www.sacred-texts.com/time/index.htm
http://www.astrosurf.com/cidadao/animations.htm
http://www.cuidardoser.com.br/coletanea-krishnamurti.htm
http://www.krishnamurti.org.br/
Principal Website Consultado:Page 58

http://www.cuidardoser.com.br/coletanea-krishnamurti.htm
Entre outras fontes, foram consultados os seguintes textos e palestras de
Krishnamurti:
A alegria de viver, A busca do homem, A casa está pegando fogo, A compreensão do
sofrimento, A deterioração do homem, A experiência religiosa da meditação, A ilusão de
separatividade, A importância da crise, A importância de um cérebro completamente
quieto, A mentalidade religiosa, A mente religiosa, A mente religiosa e a mente
científica, A mente revoltada, A mente sofredora, A natureza da liberdade, A ordem
interior, A real função da educação, A realidade transcendental, A verdade libertadora, A
verdade não é individual e nem coletiva, A verdadeira revolução, A verdadeira revolução
(texto 2), Como é que as pessoas se tornam neuróticas?, Como conhecer a si mesmo?,
Compreendendo a percepção, Conversas fúteis, Crenças, preconceitos, dogmas e idéias,
Diálogos sobre a busca de segurança, Diálogo sobre a crença e a confiança, Diálogo sobre
a dependência dos guias, Diálogo sobre a educação, Diálogo sobre conflito, Diálogo
sobre descontentamento, Diálogo sobre desordem mental, Diálogo sobre experiência
espiritual, Diálogo sobre mudança interior, Diálogo sobre o trabalho, Diálogo sobre
profissão, Diálogo sobre relacionamentos, Diálogo sobre solidão, Diálogos sobre a
solidão II, Diálogos sobre mudanças, Diálogos sobre o meio de vida correto, Educação
sem disciplina, Educar o educador, É possível a mente humana perceber a verdade?,
Existe ou não existe Deus?, Existe uma razão para a nossa existência?, Existe uma vida
futura?, Isolamento e estar só, Krishnamurti em Los Alamos, Levando a mensagem,
Liberdade Mental, Liberdade religiosa, Liberte-se das influências, Mentalidade religiosa,
Mente livre, Nada é condenável, Não importa se você morrer, O alcançar da Realidade, O
amor, O amor é um sentimento?, O desenvolvimento do correto pensar, O entendimento
fundamental, O fim do conflito, O florescer interior, O homem no mundo, O maior
problema do homem, O observador e a coisa observada, O pensamento é a origem do
medo, O poder criativo, O problema da insegurança, O problema da transformação, O
que buscamos todos nós?, O que é liberdade?, O que é uma mente medíocre?, O que
existe além é indescritível, Os problemas humanos, Perenidade espiritual, Perguntas e
respostas, Pode a mente medíocre se preencher?, Pode a mente ultrapassar a consciência
coletiva?, Pode o homem mudar?, Porque autoridade – Capítulo 1, Porque autoridade –
Capítulo 2, Porque tenho ódio de mim?, Qual a função de um mestre?, Qual a relação do
individuo com a sociedade?, Qual é a verdadeira função de um educador?, Que buscamos
nós?, Que é o amor?, Que são sonhos?, Que significa ser “religiosamente livre”?, Que
sou eu?, Quem traz a verdade, Religião, Sanidade mental e meditação, Ser livre, Ser umPage 59

bom cidadão ou ser um bom homem?, Sobre a deterioração da mente, Sobre a
importância dos retiros, Sobre a libertação dos condicionamentos, Sobre a mediocridade,
Sobre a realização espiritual, Sobre a solidão, Sobre a solidão – 2, Sobre a solidão – 3,
Sobre conflitos, Sobre o morrer todos os dias, Sobre o sofrimento, Sobre o vazio
existencial, Texto representativo da obra de Krishnamurti, The Voice of Intuition, Um
modo de viver plenamente, Uma dimensão diferente, Uma nova maneira de viver, Uma
radical revolução, Verdade e Conforto, Vida criadora, Viver sem temor, Vontade e
energia.
-----------------------------------------------------------------------------------------
NOTA DO EDITOR: (*) O Professor Dr. Rodolfo Domenico Pizzinga é Doutor em
Filosofia, Mestre em Educação, Professor de Química, Membro da Ordem de Maat,
Iniciado do Sétimo Grau do Faraó, Membro dos Iluminados de Kemet, Membro da
Ordem Rosacruz AMORC e Membro da Tradicional Ordem Martinista. É autor de
dezenas de monografias, ensaios e artigos sobre Metafísica Rosacruz. Seu web site
pessoal é: http://paxprofundis.org
Visite o Site Oficial dos Iluminados de Khem, que disponibiliza Monografias
Públicas para a Nova Era Mental: http://svmmvmbonvm.org/aum_muh.html
Monografia produzida por IOK-BR com OpenOffice.org/Linux
Distro: Mandriva 10.2/KDE 3.4
Publicada em Janeiro de 6247 AFK (2007CE)
Distribuição (gratuita) permitida

Jiddu Krishnamurti - O Ser

O pensamento é tempo. Ele nasce da experiência e conhecimento, que são inseparáveis do tempo e do passado. O tempo é o inimigo psicológico do homem. Nossa ação é baseada no conhecimento e, portanto, o tempo, assim o homem é sempre um escravo do passado. O pensamento é sempre limitado e assim nós vivemos em constante conflito e luta. O importante é o ser e não o vir a ser; um não é o oposto do outro, havendo o oposto ou a oposição, cessa o ser. Ao findar o esforço para vir-a-ser, surge a plenitude do ser, que não é estático; não se trata de aceitação; o vir-a-ser depende do tempo e do espaço. O esforço deve cessar; disso nasce o ser que transcende os limites da moral e da virtude social, e abala os alicerces da sociedade. Esta maneira de ser é a própria vida, não mero padrão social. Lá, onde existe vida, não existe perfeição; a perfeição é uma idéia, uma palavra; o próprio ato de viver e existir transcende toda forma de pensamento e surge do aniquilamento da palavra, do modelo, do padrão.
(Jiddu Krishnamurti)

Krishnamurti A-Verdade-é-uma-terra-sem-caminho

Obras de Krishnamurti publicadas pela Cultrix:

KRISHNAMURTI (Jiddu Krishnamurti) nasceu no Sul da Índia em 1895 e foi educado na Inglaterra. Embora não tenha ligações com nenhuma organização filosófico-religiosa nem se apresente com títulos universitários, vem fazendo conferências para grupos de líderes intelectuais nas maiores cidades do mundo, há já várias dezenas de anos. Além dos volumes editados pela Cultrix, grande número de publicações, de palestras e conferências suas foram lançadas em português, com êxito igual ao obtido quando publicadas em espanhol, francês, alemão, holandês, finlandês e vários outros idiomas, além do original inglês.

Obras de Krishnamurti publicadas pela Cultrix:

O Começo do Aprendizado
Comentários Sobre o Viver
A Cultura e o Problema Humano
O Descobrimento do Amor
Diálogos Sobre a Vida
Diário de Krishnamurti
A Educação e o Significado da Vida
Fora da Violência
O Homem e seus Desejos em Conflito
O Homem Livre
A Importância da Transformação
liberte-se do Passado
A Mente sem Medo
O Mistério da Compreensão
A Mutação Interior
Uma Nova Maneira de Agir
Novos Roteiros em Educação
Palestras com Estudantes Americanos
O Passo Decisivo
Perguntas e Respostas
A Primeira e Ultima Liberdade
Que Estamos Buscando?
A Rede do Pensamento Reflexões Sobre a Vida
A Suprema Realização

Obras de Krishnamurti publicadas pela Instituição Cultural Krishnamurti:

A Essência da Maturidade
Onde Está a Bem-Aventurança
O Novo Ente Humano
A Questão do Impossível
A Outra Margem do Caminho
A Luz que não se Apaga
Como Viver Neste Mundo
A Libertação dos Condicionamentos
Encontro com o Eterno
O Despertar da Sensibilidade
O Vôo da Águia

Skoob NicDias

Pense Nisso - Jiddu Krishnamurti

A Mente Sem Medo - Jiddu Krishnamurti

A Beleza da Música Relaxante

Introdução à Filosofia Espírita - J. Herculano Pires

Barra de vídeo

Loading...